CARCON NEWS

06/11/2019 | 1ª quinzena de Novembro

Volvo lança pacote de segurança ativa para ônibus rodoviário.

 

A Volvo lançou novo pacote de segurança ativa SSA para ônibus rodoviários, que funções como frenagem autônoma de emergência e aviso de mudança de faixa. O sistema oferecido como opcional agrega tecnologias que ajudam a evitar acidentes e manter a atenção do motorista durante o trajeto. O pacote estreia em dois ônibus no mercado brasileiro, um vendido à Transacácia, de Maringá (PR), que faz rotas no Brasil e Mercosul, e o segundo para a empresa Pedra Azul, do Espírito Santo, ambas especializadas no segmento de turismo. Segundo a Volvo, o SSA acrescenta R$ 25 mil ao preço final do chassi para o cliente. Para o presidente da Volvo Bus na América Latina, Fabiano Todeschini, toda adoção de nova tecnologia traz um custo adicional que é inicial e passivo de mudança conforme a evolução da demanda do mercado: “Daqui a cinco anos esse valor será menor. No início, até podemos perder algum volume de venda, mas a Volvo escolhe ser pioneira na segurança. É o que aconteceu com a adoção de freios a disco que substituíram o freio a tambor em 100% do portfólio de chassis rodoviários”, argumenta. Segundo o diretor de vendas de ônibus no Brasil, Paulo Arabian, a estimativa é de que inicialmente o SSA vai equipar cerca de 5% do volume total de vendas da Volvo Bus em 2020 no Brasil. A empresa estima que o mercado brasileiro de ônibus rodoviários cresça 15% no próximo ano: no acumulado de 2019 até outubro o segmento avançou 16%, enquanto a Volvo anotou alta de 36% no mesmo período, representando 4% de market share. O Brasil responde por 60% das vendas da montadora na América Latina. “O horizonte é de uma participação crescente e acredito que esse share de 5% vai ser ultrapassado já na largada [das vendas do ano]”, estima Arabian. Todeschini complementa ao comentar que esse tipo de sistema de segurança será obrigatório no Peru a partir de 2020 para todos os veículos que prestam serviço ao setor de mineração. “Então esse será também um impulsionador para o mercado da América Latina”, diz.

(Fonte: www.automotivebusiness.com.br)

 

ZM investe R$ 8 mi em equipamento de conformação a frio.

 

A fabricante de autopeças ZM, com sede Brusque (SC), investiu R$ 8 milhões na aquisição de um equipamento para produção de peças longas, obtidas por processo de conformação a frio. A máquina permitirá a produção de itens com até 310 milímetros de comprimento, como barras axiais utilizadas nos sistemas de direção dos veículos. A conformação a frio é um processo de produção mecânico que permite a fabricação de peças por compressão, fornecendo condições para bom acabamento, grande resistência, qualidade e durabilidade em peças de formas geométricas complexas. O processo otimiza a utilização de matéria-prima e diminui a quantidade de aparas e material destinado a reciclagem “Essa aquisição faz parte de um programa de investimentos que somará R$ 17 milhões em máquinas para o desenvolvimento de uma nova linha de produtos ZM, já inserida na iniciativa da indústria 4.0.”, afirma o diretor superintendente da ZM, Alexandre Zen. A ZM é especializada na fabricação de parafusos e porcas de roda, cruzetas e componentes para cardãs, além de relés e motores de partida, alternadores, polias para alternador, induzidos, rotores e estatores. Recentemente, ergueu uma nova fábrica de R$ 100 milhões. Com a aquisição do equipamento, além de ampliar sua linha de reposição a ser lançada em 2020, a empresa ganha em produtividade e precisão dimensional.

(Fonte: www.automotivebusiness.com.br)

 

VWCO chega aos 23 anos em Resende.

 

A fábrica da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) em Resende (RJ) comemora 23 anos com quase 1 milhão de veículos e também com o compromisso firmado em produzir o primeiro caminhão elétrico no País, o e-Delivery, que já resultou até mesmo na definição dos principais parceiros que participarão diretamente da montagem desse veículo. A fábrica de Resende ocupa área total de 1 milhão de metros quadrados, tem 148 mil m2 de área construída, 100 mil m2 para o parque de fornecedores e outros 50 mil m2 de centro logístico. A unidade emprega mais de 4 mil colaboradores. A produção de caminhões Volkswagen começou em 1981 na unidade Anchieta, em São Bernardo do Campo. A decisão de construir uma fábrica própria para caminhões e ônibus teve como motivo a boa aceitação dos modelos desde o início. Nestes mais de 20 anos, a VWCO exportou para cerca de 30 mercados. Os veículos são enviados não só para a América Latina, mas também para países da África, do Oriente Médio e Ásia. Um dos destaques da fábrica de Resende é o chamado consórcio modular, sistema de produção em que fornecedores dividem com a VWCO a responsabilidade pela montagem dos veículos. As principais vantagens disso são o aumento da produtividade e dos níveis de qualidade, com redução dos custos. As parceiras são Maxion (chassi), Meritor (eixos e suspensão), Remon (conjunto rodas e pneus), Carese (pintura), Aethra (armação da cabine), Powertrain (motor) e Kroschu (acabamento da cabine). A próxima etapa é a implantação do e-Consórcio, primeiro modelo de negócio do mundo a prever desde a montagem até a infraestrutura de recarga e gerenciamento de ciclo de vida da bateria dos caminhões.

(Fonte: www.automotivebusiness.com.br)

 

Empresas assinam compromisso de equidade de gênero com a ONU.

 

 Na sexta-feira, 1º, seis organizações com influência e atuação no setor automotivo assinaram os Princípios de Empoderamento Feminino (Women's Empowerment Principles – WEPs), compromisso com a ONU Mulheres pela equidade de gênero. O momento aconteceu durante o II Fórum AB Diversidade no Setor Automotivo, realizado por Automotive Business em parceria com a MHD Consultoria. O movimento foi puxado pela Rede AB Diversidade, iniciativa criada em 2019 com o propósito de agregar, apoiar e catalisar atores e ações que promovam a diversidade estrutural e a inovação inclusiva no setor automotivo. O compromisso foi assumido por organizações dos mais diversos tamanhos e escopos de atuação: Anfavea, associação dos fabricantes de veículos, pela Faurecia, fornecedora de componentes, Mercedes-Benz, MHD Consultoria, Pieracciani Consultoria, SD&Press e, enfim, a própria Automotive Business. Ao longo de 2019, também se comprometeram com o tema a Valeo e a Lear Corporation, que assinou o documento em um encontro da Rede AB Diversidade. Nas próximas semanas, o IQA, Instituto da Qualidade Automotiva, também vai firmar o compromisso. “É essencial ter mais empresas automotivas comprometidas com os Princípios de Empoderamento da Mulher. Por isso a nossa parceria com a Rede AB Diversidade é tão importante”, diz Adriana Carvalho, gerente da ONU Mulheres. Ela lembrou no evento que a equidade de gênero faz parte da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da ONU. 

(Fonte: www.automotivebusiness.com.br)

 

FCA registra prejuízo no 3º trimestre, apesar de receita recorde na América do Norte.

 

O Grupo FCA Fiat Chrysler registrou prejuízo líquido de € 179 milhões (quase US$ 200 milhões) ao fechar o balanço do terceiro trimestre, informa em comunicado divulgado na quinta-feira, 31. Em igual período do ano passado, a organização reportou lucro líquido de € 564 milhões. Segundo o relatório, o resultado negativo se deve a um desempenho muito fraco na Europa, onde as vendas caíram 13% no período, e à marca de luxo Maserati, cujas vendas recuaram significativamente, gerando prejuízo de € 51 milhões e receita 38% menor. O faturamento global da FCA ficou praticamente estável no período entre julho e setembro, com leve queda de 1%, ao fechar em € 27 bilhões. A companhia ítalo-americana anotou resultado recorde na América do Norte, com lucro operacional recorde de € 2 bilhões para o período, alta de 4% sobre igual trimestre de 2018, atribuído a controle de custos, aumento de preços, mix favorável de produtos e efeitos positivos de câmbio, apesar de uma queda de 11% no volume de vendas. O faturamento na região ficou estável em € 19 bilhões. "Nossos fortes resultados do terceiro trimestre, com base na lucratividade recorde da América do Norte, nos colocam em posição de entregar nossa estimativa esperada para o ano e melhorar ainda mais o desempenho financeiro em 2020”, declarou em nota o CEO da FCA Mike Manley. Na América Latina, o faturamento cresceu 10% no terceiro trimestre ao atingir os € 2,19 bilhões, graças ao maior volume de vendas no Brasil, que compensou a queda na Argentina. O resultado também é atribuído a um melhor mix de produtos e efeitos positivos do câmbio. O lucro operacional na região avançou significativos 83%, para € 152 milhões, devido à maior receita líquida, parcialmente compensada por custos industriais mais altos, principalmente pela inflação na área de compras. Na região EMEA, que reúne os resultados de Europa, Oriente Médio e África, a FCA reportou faturamento de € 4,6 bilhões, queda anual de 6%, e um prejuízo de € 55 milhões, maior que o prejuízo de € 25 milhões registrado no terceiro trimestre do ano passado.

(Fonte: www.automotivebusiness.com.br)